Controle de traça-das-crucíferas com óleo essencial de Lippia gracilis

Joseane de Jesus Oliveira, Eliana Maria dos Passos, Roberta Morais Aragão, Tárcio Souza Santos, Elizângela Mércia Oliveira Cruz, Marcelo da Costa Mendonça

Resumo


O objetivo deste trabalho foi avaliar o potencial do óleo essencial dos genótipos LGRA-106 e LGRA-108 de Lippia gracilis no controle de traça-das-crucíferas (Plutella xylostella). As concentrações letais (CLs) foram estimadas por duas vias de ação (residual e pulverização), com uso dos óleos em concentrações de 0,5 a 3,0% v v-1, diluídos em Tween 80 (1,5%). Para determinar o efeito da CL média (CL50) no desenvolvimento de P. xylostella, dois compostos dos genótipos de L. gracilis, timol e carvacrol, foram pulverizados nos insetos. A repelência da CL50 foi avaliada por ação residual, em bioensaio com chance de escolha. O genótipo LGRA-106 apresentou maior toxicidade via ação residual (CL50 = 8,82 mg mL-1), bem como maior índice de repelência. Já o LGRA-108 foi mais tóxico via pulverização (CL50 = 9,64 mg mL-1). O desenvolvimento e a viabilidade larval foram reduzidos em cerca de 50% com o LGRA-106 ou o timol e, em até 70%, com o LGRA-108 ou o carvacrol, que causaram mortalidade de 1,70 a 1,97 dias após a pulverização. Os óleos dos genótipos LGRA-106 e LGRA-108 de L. gracilis possuem atividade inseticida no controle de P. xylostella.


Palavras-chave


Plutella xylostella; alecrim-da-chapada; atividade inseticida

Texto completo:

PDF (English)


Embrapa Sede
Parque Estação Biológica - PqEB - Av. W3 Norte (final) Caixa Postal 040315 - Brasília, DF - Brasil - 70770-901
Fone: +55 (61) 3448-2461