Perfis proteicos de café durante a fermentação por diferentes métodos de inoculação de leveduras

Ana Paula Pereira Bressani, Silvia Juliana Martinez, Leonardo de Figueiredo Vilela, Disney Ribeiro Dias, Rosane Freitas Schwan

Resumo


O objetivo deste trabalho foi avaliar o perfil proteico de café arábica (Coffea arabica) fermentado por via natural e semisseco, submetido ou a tratamentos com diferentes métodos de inoculação com culturas iniciadoras ou a um controle sem inoculação. Saccharomyces cerevisiae CCMA 0543 e Candida parapsilosis CCMA 0544 foram inoculadas separadamente no café, por pulverização direta nos frutos-cereja, em um terreiro suspenso, ou em baldes, por 16 horas antes da secagem ao sol. A quantificação de proteínas mostrou uma diferença significativa no perfil proteico das amostras colhidas, após fermentação seca natural. A análise MALDI-TOF MS gerou uma lista de 96 picos com diferentes proporções massa/carga (m/z), nas amostras colhidas no início e ao final da fermentação. O maior número de picos no café processado seco ao natural foi observado ao final da fermentação nas amostras com inoculação de S. cerevisiae CCMA 0543, no balde e nas amostras de C. parapsilosis CCMA 0544 pulverizadas no terraço. No entanto, no café processado semisseco, o maior número de picos foi observado no tempo inicial de fermentação, com diminuição dos picos dos peptídeos após a fermentação. A fermentação com diferentes microrganismos, tipos de processamento e métodos de inoculação afeta os perfis m/z e influencia os tipos de proteínas encontradas no café.

 

Palavras-chave


Candida parapsilosis; Saccharomyces cerevisiae; MALDI-TOF MS; cultura iniciadora

Texto completo:

PDF (English)


Embrapa Sede
Parque Estação Biológica - PqEB - Av. W3 Norte (final) Caixa Postal 040315 - Brasília, DF - Brasil - 70770-901
Fone: +55 (61) 3448-2461