Atividade de enzimas e degradação de pectinas de sapoti submetido ao 1-metilciclopropeno

Patrícia Lígia Dantas de Morais, Luiz Carlos de Oliveira Lima, Maria Raquel Alcântara de Miranda, José Donizete Alves, Ricardo Elesbão Alves, José Daniel Silva

Resumo


O objetivo deste trabalho foi investigar a influência do 1-metilciclopropeno (1-MCP) nas atividades das enzimas hidrolíticas da parede celular e nas mudanças na degradação da pectina durante o amadurecimento de sapoti (Manilkara zapota cv. Itapirema 31). Frutos de sapotizeiro foram tratados com o inibidor da ação do etileno, 1-MCP, na concentração de 300 nL L-1, por 12 horas e armazenados sob atmosfera modificada, à temperatura de 25±2ºC, por 23 dias. A firmeza, conteúdo de pectina total e solúvel e enzimas da parede celular foram avaliados durante todo o período de armazenamento. O 1-MCP a 300 nL L-1 por 12 horas retardou significativamente o amolecimento de sapoti por 11 dias a 25ºC. O tratamento com 1-MCP afetou a atividade das enzimas pectinametilesterase e poligalacturonase e inibiu o aumento da atividade beta-galactosidase por 8 dias, e, conseqüentemente, resultou em menor solubilização das substâncias pécticas. A beta-galactosidase parece ser relevante no amolecimento de sapoti e responsável pela modificação das pectinas e das xiloglucanas ligadas as microfibrilas de celulose.

Palavras-chave


<i>Manilkara zapota</i>; beta-galactosidase; amadurecimento

Texto completo:

PDF


Embrapa Sede
Parque Estação Biológica - PqEB - Av. W3 Norte (final) Caixa Postal 040315 - Brasília, DF - Brasil - 70770-901
Fone: +55 (61) 3448-2461