Variabilidade genética de raças de ovelhas deslanadas do Brasil

Samuel Rezende Paiva, Vanessa Chaves Silvério, Andréa Alves Egito, Concepta McManus, Danielle Assis de Faria, Arthur da Silva Mariante, Sílvia Ribeiro Castro, Maria do Socorro Maués Albuquerque, Jorge Abdala Dergam

Resumo


Os objetivos deste trabalho foram identificar a origem racial de ovinos Santa Inês e avaliar a unicidade das populações das principais raças naturalizadas brasileiras de ovinos deslanado. Foi realizado um estudo dos padrões de semelhança molecular a partir de marcadores RAPD-PCR, utilizando-se 238 indivíduos dos Estados de Goiás, Sergipe, Bahia, e Ceará assim como do Distrito Federal, distribuídos entre as raças Santa Inês (48 animais), Bergamácia (46), Rabo Largo (48), Morada Nova (48) e Somali (48). Após triagem com 140 primers, foram selecionados 54 locos a partir de 19 primers e todas as raças apresentaram marcadores específicos. Análises qualitativas mostraram a presença de marcadores diagnóstico-específicos para todas as raças. As diferenças inter-raciais foram significativas e responsáveis por 14,92% da variação total observada. Na análise de agrupamento, a raça Santa Inês ficou próxima à Bergamácia (com 97% de valor bootstrap). A raça Rabo Largo apresentou maior similaridade com este grupo (com 81% bootstrap) do que as raças Morada Nova e Somali. Cada raça deve ser considerada como unidade de conservação e manejo, especialmente as raças Rabo Largo, Morada Nova e Somali, as quais apresentam as menores populações no País.


Palavras-chave


Ovis aries; genética da conservação; diversidade de animais domésticos; marcadores moleculares; RAPD

Texto completo:

PDF (English)


Embrapa Sede
Parque Estação Biológica - PqEB - Av. W3 Norte (final) Caixa Postal 040315 - Brasília, DF - Brasil - 70770-901
Fone: +55 (61) 3448-2461