Mancha-foliar-de-Phyllosticta em gengibre. caracterização cultural do patógeno e efeito de tratamentos químicos no controle da doença em Morretes, Estado do Paraná

Paulo Cezar Cerezine, Irineu Antonio Olinisky, Maurício Vaz Lobo Bittencourt, Walter Veriano Valério Filho

Resumo


Os objetivos deste trabalho foram determinar o crescimento da curva micelial do patógeno e a sensibilidade a alguns fungicidas potencialmente eficientes no controle da doença. A faixa ótima para crescimento micelial dos isolados de Phyllosticta sp., in vitro, situou-se entre 25 a 27,5 °C. As temperaturas máximas a mínimas para o crescimento do patógeno foram 32,5 a 10 ºC. Inibição total do crescimento micelial foi constatada também com captan a mancozeb a 1.000 mg i.a./ml e triadimenol a 100 mg i.a./ml. Redução parcial do crescimento micelial foi observada com iprodione, tiofanato metílico e chlorothalonil 1.000 mg/ml. Quanto ao controle químico da mancha-foliar-de-Phyllosticta em gengibre "Gigante", este foi estudado em Morretes, PR, na safra de 1991/92. Foram efetuadas 18 pulverizações, em intervalos de 7 a 10 dias, entre dezembro e abril. Chlorothalonil proporcionou a maior redução da área sob a curva de progresso de doença estandardizada (ASCPDe). Com relação a dithianon, oxicloreto de cobre, folpet, mancozeb e captan, constatou-se ASCPDe entre 15,05 a 18,61 lesões/folha doente. Já iprodione benomyl, triadimenol e tiofanato metílico não controlaram a doença. A ASCPDe da testemunha foi de 35,88 lesões/folha doente. Não houve diferença entre tratamentos com relação ao vigor das plantas de gengibre e à produção. O fungicida oxicloreto de cobre foi fitotóxico ao gengibre.

Palavras-chave


<i>Zingiber oficinale; Phyllosticta</i>;controle químico

Texto completo:

PDF


Embrapa Sede
Parque Estação Biológica - PqEB - Av. W3 Norte (final) Caixa Postal 040315 - Brasília, DF - Brasil - 70770-901
Fone: +55 (61) 3448-2461