Grupo de compatibilidade, sensibilidade ao mefenoxam e diversidade de patótipos de isolados de Phytophthora infestans de tomate no Brasil

Bruno Eduardo Cardozo de Miranda, Nelson Dias Suassuna, Ailton Reis

Resumo


O objetivo deste trabalho foi caracterizar 79 isolados de Phytophthora infestans, coletados em campos de tomate (Solanum lycopersicum), quanto ao grupo de compatibilidade, à sensibilidade ao mefenoxan, e à diversidade de patótipos. Os isolados foram obtidos em coletas realizadas nos anos de 2006 e 2007, em sete Estados do Brasil e no Distrito Federal. Os isolados foram usados para determinação do grupo de compatibilidade sexual (n=79), resistência ao fungicida mefenoxam (n=79) e espectro de virulência aos genes de efeito principal Ph-1, Ph-2 e Ph-3/Ph-4 (n=62). Todos os isolados foram classificados no grupo de compatibilidade A1. Isolados insensíveis ao fungicida mefenoxam foram detectados em todos os Estados amostrados, e apresentaram frequência média superior a 50%. Não houve diferença de diversidade de patótipos entre as subpopulações coletadas em 2006 e 2007, e nem entre os isolados agrupados como resistentes ou intermediariamente sensíveis ao mefenoxam. Os genes de resistência foram suplantados em diferentes frequências: Ph-1, 88,7%; Ph-2, 64,5%; e Ph-3/Ph-4, 25,8%. Isolados complexos capazes de suplantar a resistência dos quatro genes de resistência foram encontrados em baixa frequência. Programas de melhoramento de tomate no Brasil devem evitar o desenvolvimento de cultivares com resistência baseada exclusivamente em genes de efeito principal.


Palavras-chave


Lycopersicon esculentum; Solanum lycopersicum; manejo de doenças; resistência a fungicida; requeima; variabilidade do patógeno

Texto completo:

PDF (English)


Embrapa Sede
Parque Estação Biológica - PqEB - Av. W3 Norte (final) Caixa Postal 040315 - Brasília, DF - Brasil - 70770-901
Fone: +55 (61) 3448-2461