Qualidade, compostos fenólicos e atividade antioxidante de amoras‑pretas 'Tupy' e 'Guarani' armazenadas a diferentes temperaturas

Cristina Soethe, Cristiano André Steffens, Cassandro Vidal Talamini do Amarante, Mariuccia Schlichting De Martin, Anderson Jose Bortolini

Resumo


O objetivo deste trabalho foi avaliar o efeito da temperatura de armazenamento sobre a manutenção da qualidade, o teor de compostos fenólicos e a atividade antioxidante de amoras‑pretas (Rubus sp.) 'Tupy' e 'Guarani'. Os frutos foram armazenados a 0, 5, 10 e 15°C. Após cinco dias de armazenamento, as amoras‑pretas foram avaliadas quanto aos seguintes parâmetros: cor da epiderme, taxa respiratória, perda de massa, força para compressão, acidez titulável (AT), sólidos solúveis (SS), relação SS/AT, podridões, compostos fenólicos totais (CFT) e atividade antioxidante (AAT). O aumento da temperatura de armazenamento causou, em ambas as cultivares, o aumento da taxa respiratória, da perda de massa e da incidência de podridões, bem como redução dos teores de SS e AT, especialmente a partir de 5ºC. Não houve efeito da temperatura sobre a coloração em 'Tupy'. Em amoras 'Guarani', houve redução de croma e de ângulo hue, com o aumento da temperatura. A força para compressão, em ambas as cultivares, aumentou entre as temperaturas de 0 e 5ºC. CFT e AAT aumentaram com o incremento da temperatura em ambas as cultivares. O armazenamento de frutos de ambas as cultivares a 5ºC proporciona frutos mais firmes e maior AT, além de permitir o incremento de CFT e AAT, sem comprometer o sabor e aspecto visual do fruto


Palavras-chave


Rubus; alimento funcional; conservação; pequenos frutos

Texto completo:

PDF


Embrapa Sede
Parque Estação Biológica - PqEB - Av. W3 Norte (final) Caixa Postal 040315 - Brasília, DF - Brasil - 70770-901
Fone: +55 (61) 3448-2461