Identificação de acessos de mamoeiro resistentes ao Papaya lethal yellowing virus e capacidade de Tetranychus urticae em transmitir o vírus

Marcos Fernando Basso, Álvaro Júlio Pereira, Hermano Monteiro de Barros Pereira, Humberto Josué de Oliveira Ramos, Jorge Luiz Loyola Dantas, Elizabeth Pacheco Batista Fontes, Eduardo Chumbinho de Andrade, Francisco Murilo Zerbini

Resumo


O objetivo deste trabalho foi produzir um antissoro policlonal contra a proteína capsidial (PC) do Papaya lethal yellowing virus (PLYV) e determinar sua especificidade e sensibilidade na diagnose do vírus, bem como avaliar a resistência genética de acessos de mamoeiro (Carica papaya) ao PLYV e investigar a capacidade do ácaro rajado Tetranychus urticae em adquirir e transmitir o vírus às plantas. Foram avaliados 65 acessos de mamoeiro. Para cada acesso, dez plantas foram submetidas à inoculação mecânica com extratos de plantas infectadas com PLYV, e três plantas receberam inoculação apenas com tampão de fosfato e foram usadas como controle negativo. Noventa dias após a inoculação, novas folhas sistêmicas emergentes foram coletadas das plantas inoculadas, e a infecção viral foi diagnosticada por Elisa indireto, com uso de antissoro policlonal sensível à PC do PLYV expressa in vitro. A transmissão viral por T. urticae foi avaliada em casa de vegetação. Os experimentos foram repetidos duas vezes. O antissoro policlonal reconheceu a PC do PLYV especificamente e discriminou a infecção pelo PLYV de infecções causadas por outros vírus. Dos 65 acessos de mamoeiros avaliados, 15 foram considerados resistentes, 18 moderadamente resistentes e 32 suscetíveis. O ácaro rajado T. urticae foi capaz de adquirir o PLYV, mas não de transmiti‑lo para o mamoeiro.

Palavras-chave


Carica papaya; Elisa; resistência genética; melhoramento de plantas; PLYV; ácaro rajado

Texto completo:

PDF (English)


Embrapa Sede
Parque Estação Biológica - PqEB - Av. W3 Norte (final) Caixa Postal 040315 - Brasília, DF - Brasil - 70770-901
Fone: +55 (61) 3448-2461