Eficiência de barreiras vegetais no isolamento de parcelas de algodoeiro

Emílio da Maia de Castro, Imre Lagos Gridi-Papp, Ernesto Paterniani

Resumo


Este trabalho foi realizado em Sete Lagoas, MG, nos anos de 1973/74 e 1974/75, como objetivo de se verificar o comportamento de diferentes barreiras vegetais no controle de contaminações entre campos por polinização cruzada natural em algodoeiro (Gossypium hirsutum L.). As barreiras foram de 4 m de largura e o caráter "glandless plant". gl2gl3 , foi utilizado como marcador para as determinações das taxas de cruzamento natural. Todas as barreiras vegetais utilizadas foram eficientes em reduzir a taxa de cruzamento natural, destacando-se, significativamente, a de milho sobre as de sorgo, algodoeiro e crotalária, que não diferiram estatisticamente entre si. No entanto, nenhuma delas evitou completamente as contaminações entre campos, sendo que a de milho reduziu de 15,1% para 5,2%. Quando foram tomadas amostras até a quinta fileira sucessiva a partir do ponto de adjacência entre dois campos, encontrou-se um decréscimo linear para os valores obtidos da taxa de cruzamento natural. A taxa de cruzamento natural para uma planta qualquer de uma população foi estimada em 32%.


Palavras-chave


contaminação; polinização cruzada; "glandless"; sorgo; crotalária

Texto completo:

PDF


Embrapa Sede
Parque Estação Biológica - PqEB - Av. W3 Norte (final) Caixa Postal 040315 - Brasília, DF - Brasil - 70770-901
Fone: +55 (61) 3448-2461