Involução uterina e atividade ovariana pós-parto de vacas Canchim

Manfred Bügner, Maurício Mello de Alencar

Resumo


Foram estudadas, por palpação retal e vaginoscopia, a intervalos regulares, do quinto ao 40° dia, a involução clínica do útero e a atividade ovariana pós-parto de 160 vacas Canchim. A involução completa do útero ocorreu em todos os animais, apresentando média dos quadrados mínimos de 25, 40 dias, e foi influenciada significativamente pela ordem de parição (P < 0,01) e pelo peso das vacas ao parto (P < 0,05). O coeficiente de regressão do tempo de involução em relação ao peso da vaca foi de 0,015 ± 0,007, indicando que o útero das vacas mais pesadas involuiu mais tardiamente. O tempo de involução aumentou de 22,94 dias nas vacas primíparas, para 27,26 dias naquelas de cinco ou mais partos. Ao final do experimento, constatou-se que 37,50% dos animais apresentavam-se com os ovários afuncionais, e o intervalo parto-primeiro cio foi de 127,79 dias.


Palavras-chave


palpação retal; vaginoscopia; ovário

Texto completo:

PDF


Embrapa Sede
Parque Estação Biológica - PqEB - Av. W3 Norte (final) Caixa Postal 040315 - Brasília, DF - Brasil - 70770-901
Fone: +55 (61) 3448-2461