Níveis de anticorpos e parasitemia de anaplasma marginale em área enzoótica, nos bezerros da raça nelore, ibagé e cruzamentos de nelore

C. R. Madruga, Raul H. Kessler, A. Gomes, M. A.M. Schenk, D. F. de Andrade

Resumo


Com o objetivo de determinar a dinâmica de infecção do Anaplasma marginale na microrregião homogênea de Campo Grande, Estado de Mato Grosso do Sul, foi executado um experimento envolvendo bezerros das raças Nelore e Ibagé e cruzamentos Nelore x Fleckvieh, Nelore x Chianina e Nelore x Charolês. Foi observada uma relação positiva entre as imunoglobulinas séricas das vacas e as imunoglobulinas colostrais dos bezerros. Esta relação expressou a transmissão colostral de anticorpos. A proporção de bezerros sorologicamente negativos aumentou aos 30 dias e atingiu o máximo aos 60 dias, na maioria dos grupos experimentais. As primeiras parasitemias foram detectadas a partir dos 30 dias de vida e atingiram a média mais elevada aos 90 dias. Estes resultados demonstraram que a imunidade humoral foi um importante fator de resistência ao A. marginale e que existe um período crítico, em torno de 60 dias de idade, no qual o bezerro pode desenvolver anaplasmose. A parasitemia média dos bezerros da raça Ibagé foi significativamente (P <0,05) superior à dos demais grupos experimentais, o que sugere menor probabilidade de ocorrência de anaplasmose na raça Nelore e nos animais meio-sangue Nelore com as raças européias estudadas na região.


Palavras-chave


bovino; anaplasmose; campo grande; mato grosso do sul; dinâmica de infecção; imunidade

Texto completo:

PDF


Embrapa Sede
Parque Estação Biológica - PqEB - Av. W3 Norte (final) Caixa Postal 040315 - Brasília, DF - Brasil - 70770-901
Fone: +55 (61) 3448-2461