Adsorção de glifosato em solos chilenos e sua relação com sítios de adsorção disponíveis para adsorção de fosfato

Marcelo Kogan, Alejandra Metz, Rodrigo Ortega

Resumo


O objetivo deste trabalho foi investigar a adsorção de glifosato em solos e sua relação com os sítios disponíveis para adsorção de fosfato. Amostras de três solos chilenos – Valdivia (Andisol), Clarillo (Inceptisol) e Chicureo (Vertisol) – foram incubadas com diferentes concentrações do herbicida. O glifosato remanescente na solução foi determinado pelo método de HPLC com detector de UV modificado. A capacidade de adsorção máxima experimental foi de 15.000, 14.300 e 4.700 mg g-1 para os solos de Valdivia, Clarillo e Chicureo, respectivamente. Os modelos Linear, Freundlich e Langmuir foram utilizados para descrever a adsorção de glifosato. As isotermas de adsorção variaram de acordo com o tipo de solo. A capacidade de adsorção máxima ajustada com o modelo Langmuir foi 231.884, 17.874 e 5.670 mg g-1 para os solos Valdivia, Clarillo e Chicureo, respectivamente. A adsorção do glifosato no solo Valdivia mostrou um comportamento linear na faixa de concentração usada e nenhum dos modelos ajustados chegou a ser assintótico. A alta capacidade de adsorção de glifosato no solo Valdivia pode ser explicada por seu alto teor de Al trocável, alta disponibilidade de Fe e presença de argilas de tipo alofana e imogolita. A adsorção esteve muito relacionada à dinâmica do fosfato no solo Valdivia, que mostrou grande número de sítios disponíveis para a adsorção de fosfato. Entretanto, a relação entre os sítios de adsorção de fosfato livre e a adsorção de glifosato nos solos Clarillo e Chicureo não ficou clara.

Palavras-chave


herbicida; efeito de dosagem; modelos

Texto completo:

PDF (English)


Embrapa Sede
Parque Estação Biológica - PqEB - Av. W3 Norte (final) Caixa Postal 040315 - Brasília, DF - Brasil - 70770-901
Fone: +55 (61) 3448-2461