Adsorção de boro em solos do Estado de São Paulo, Brasil

Luís Reynaldo Ferracciú Alleoni, Otávio Antonio de Camargo

Resumo


O objetivo deste trabalho foi avaliar os teores de boro adsorvido em solos representativos do Estado de São Paulo (Latossolo Roxo distrófico argiloso, Latossolos Vermelhos-Escuros álicos textura média e muito argilosa, Latossolo Vermelho-Amarelo álico textura média e Podzólico Vermelho-Amarelo eutrófico textura arenosa/média). A adsorção nos Latossolos argilosos foi superior à do Podzólico que, por sua vez, foi superior à dos Latossolos de textura média. A calagem promoveu aumento na quantidade de B adsorvido, principalmente nos Latossolos de textura média. Altas correlações foram encontradas para teores de argila e de óxido de alumínio amorfo, e superfície específica (r = 0,79, 0,76 e 0,73, respectivamente, p < 0,01). Teores de argila, do óxido de alumínio livre e de boro solúvel em CaCl2 (0,01 mol L-1) a quente correlacionaram-se significativamente com o boro adsorvido, com alto coeficiente de determinação na regressão múltipla (0,93). Isotermas de Langmuir e de Freundlich ajustaram-se bem aos dados experimentais, e os maiores valores de adsorção máxima foram dos solos argilosos, que se correlacionaram significativamente com teores totais, livres e amorfos dos óxidos de ferro e de alumínio, com teores de argila e com a superfície específica. Noventa e quatro por cento da variação dos valores de adsorção máxima foram explicados pelo teor de ferro livre.

Palavras-chave


solos tropicais; correlação simples; regressão múltipla

Texto completo:

PDF (English)


Embrapa Sede
Parque Estação Biológica - PqEB - Av. W3 Norte (final) Caixa Postal 040315 - Brasília, DF - Brasil - 70770-901
Fone: +55 (61) 3448-2461