Análise de adaptação e estabilidade de genótipos de soja no Estado do Paraná

Luís Fernando Alliprandini, José Ferraz de Toledo, Nelson S. Fonseca Junior, Leones Alves de Almeida, Romeu Afonso de Souza Kiihl

Resumo


No Paraná, com mais de dois milhões de hectares de soja (Glycine max (L.) Merrill) plantados, a obtenção de variedades produtivas, estáveis e adaptadas é importante para assegurar o sucesso da cultura. Para a análise da estabilidade e adaptabilidade foram utilizados, conjuntamente, os métodos de regressão única e regressão segmentada. As estimativas foram feitas com dados dos ensaios intermediários e finais de linhagens de soja do Estado, grupos de maturação precoce (L), semi-precoce (M) e médio (N), no período de 1987 a 1990. Dos 14 genótipos avaliados, Lancer, OCEPAR-11 e FT-2, respectivamente dos grupos L, M e N, foram mais estáveis. Considerando o coeficiente de regressão (b) e a média de produtividade, FT83-934 e OCEPAR-14 (L), BR85-18565 e OCEPAR-13 (M), e OC87-216 (N) mostraram média responsividade e melhor adaptação a todos os ambientes. OCEPAR-11 foi altamente responsivo à melhoria ambiental, sendo medianamente adaptado a ambientes desfavoráveis e mais bem adaptado a ambientes favoráveis. A regressão única explicou satisfatoriamente a estabilidade e a regressão segmentada foi útil para a classificação dos genótipos em cada ambiente. Considerando-se os conceitos empregados para adaptação e estabilidade, houve ganho na qualidade de informação com o uso das duas regressões, comparativamente à obtida de cada uma isoladamente.


Palavras-chave


Glycine max; seleção; avaliação; plantas autógamas

Texto completo:

PDF


Embrapa Sede
Parque Estação Biológica - PqEB - Av. W3 Norte (final) Caixa Postal 040315 - Brasília, DF - Brasil - 70770-901
Fone: +55 (61) 3448-2461