Efeito do despendoamento na produção de grãos, na tolerância à alta densidade populacional e ao déficit hídrico, em milho

Luis Sangoi, Ricardo Jonathan Salvador

Resumo


O milho (Zea mays L.) é bastante susceptível à deficiência hídrica e densidades de semeadura elevadas na floração. Este comportamento se deve a sua organização floral monóica, na qual o desenvolvimento da inflorescência masculina (pendão) é favorecido sob condições de estresse, garantindo produção e dispersão de pólen, às custas do desenvolvimento da espiga e dos estigmas. Este trabalho foi conduzido em Ames, Iowa, E.U.A., durante os anos agrícolas de 1993 e 1994, com o objetivo de verificar virtuais benefícios da eliminação do pendão no tocante ao rendimento de grãos, à tolerância da cultura ao estresse hídrico e à tolerância a alta densidade da população das plantas. Quatro genótipos foram estudados por estação de crescimento. Cada genótipo foi avaliado nas densidades de 25.000 e 75.000 pl. ha-1, com pendões intactos, parcialmente ou totalmente removidos. A remoção parcial ou total do pendão não aumentou o rendimento de grãos e componentes de produção do milho, independentemente de cultivar ou densidade das plantas. O rendimento de grãos foi maior a 75.000 pl. ha-1 do que a 25.000 pl. ha-1, em ambos os anos. Nenhuma diferença em rendimento foi observada entre genótipos férteis e macho-estéreis. A ausência de estresse hídrico e o dano mecânico causado às folhas superiores durante a remoção do pendão diminuíram virtuais benefícios do despendoamento quanto ao rendimento de grãos.


Palavras-chave


Zea mays; pendão; dominância apical

Texto completo:

PDF (English)


Embrapa Sede
Parque Estação Biológica - PqEB - Av. W3 Norte (final) Caixa Postal 040315 - Brasília, DF - Brasil - 70770-901
Fone: +55 (61) 3448-2461