Aeração seca para sementes de arroz

Gilberto Jaime Zimmer, Francisco Amaral Villela, Maria Ângela André Tillmann, Élio Paulo Zonta

Resumo


Este trabalho foi realizado para verificar o comportamento da frente de secagem e avaliar os efeitos da aeração seca sobre a qualidade de sementes de arroz. As sementes foram secadas de 17,4% para 16,2 e 15,1% em secador intermitente à temperatura do ar de secagem de 70oC, e foram transferidas para doze protótipos de silo com 5 m de altura e capacidade de 100 kg, com fluxos de ar de 0,3; 0,6 e 0,9 m3/min/t de semente em cada quatro silos. Duas cargas foram secadas de 17,4 para 13% de umidade em secador intermitente. Para avaliação da qualidade, realizaram-se os testes de germinação, crescimento de plântulas, primeira contagem, envelhecimento precoce, umidade, e rendimento de engenho. A secagem foi complementada em 33; 43 e 50 dias, para os fluxos de 0,9; 0,6 e 0,3 m3/min/t, respectivamente. Os resultados obtidos permitem concluir que: a) o processo de aeração seca não produz efeitos imediatos sobre a qualidade fisiológica de sementes de arroz; b) as sementes de arroz secadas pelo processo de aeração seca apresentam maior rendimento de engenho do que as secadas pelo método intermitente; c) as sementes podem ser transferidas para os silos aerados com até 16,2% de umidade inicial; d) o processo de aeração seca é viável para a secagem de sementes de arroz.

Palavras-chave


sementes de arroz, aeração seca, qualidade fisiológica de sementes, rendimento do engenho

Texto completo:

PDF


Embrapa Sede
Parque Estação Biológica - PqEB - Av. W3 Norte (final) Caixa Postal 040315 - Brasília, DF - Brasil - 70770-901
Fone: +55 (61) 3448-2461