Teores de isoflavonas, antocianinas e ácidos graxos, em grãos de soja tipo vegetal, em diferentes estádios de maturação

Mercedes Concórdia Carrão-Panizzi, Bruna dos Santos Silva, Rodrigo Santos Leite, Ronoel Luiz de Oliveira Godoy, Manuela Cristina Pessanha de Araujo Santiago, Ilana Felberg, Maria Cristina Neves de Oliveira

Resumo


O objetivo deste trabalho foi determinar os teores de óleo, proteína, ácidos graxos, isoflavonas e antocianinas, em grãos de soja de diferentes linhagens e estádios de maturação. Foram feitas avaliações quantos aos perfis químicos das linhagens com tegumento preto (BRM09-50995) e amarelo (BRM11-51428 e BRM08-50643), colhidas nos estágios de maturidade R6 (sementes imaturas), R7 (maturidade fisiológica) e R8 (maturação completa). Os teores de óleo e proteína aumentaram do estágio R6 para o R8, e BRM11-51428 apresentou o maior teor de proteína. Os teores de ácidos graxos palmítico, esteárico e linolênico foram maiores em R6, e os teores de ácidos linoleico e oleico foram maiores em R7 e R8, respectivamente. No estágio de crescimento R8, BRM11-51428 e BRM09-50995 apresentaram os maiores teores de ácido oleico e linoleico, respectivamente, e o menor teor de ácido linolênico. Os teores de isoflavonas glicosídeos e agliconas foram maiores em R8, enquanto as formas de malonil foram maiores em R7. Agliconas totais aumentaram cerca de três vezes de R6 para R8. BRM09-50995 apresentou o maior teor de isoflavonas totais e antocianinas, principalmente no estágio R8, o que torna esta linhagem uma opção para processar alimentos funcionais de soja.

Palavras-chave


Glycine max; agliconas; linhagem genética; glicosídeos; óleo; proteína

Texto completo:

PDF (English)


Embrapa Sede
Parque Estação Biológica - PqEB - Av. W3 Norte (final) Caixa Postal 040315 - Brasília, DF - Brasil - 70770-901
Fone: +55 (61) 3448-2461