Maturidade à colheita e qualidade pós‑colheita da abóbora de verão

Juan Facundo Massolo, Juan Manuel Zarauza, Joaquín Héctor Hasperué, Luis María Rodoni, Ariel Roberto Vicente

Resumo


O objetivo deste trabalho foi avaliar a influência da maturidade, à época da colheita, sobre a composição, a qualidade e a vida pós-colheita da abóbora “zapallito” (Cucurbita maxima var. zapallito). Os frutos foram colhidos em três estágios de desenvolvimento – pequeno, médio e grande, com diâmetros de 30, 70 e 90±10 mm, respectivamente – e foram armazenados a 0 e 5°C por 26 dias e, posteriormente, a 20°C por 2 dias. Determinaram-se os seguintes parâmetros: respiração, firmeza, cor, teor de clorofilas, carotenoides, açúcares, acidez, compostos fenólicos, antioxidantes, podridões, perda de massa e dano pelo frio (CI). As abóboras pequenas de cor clara foram mais propensas à desidratação e à podridão. O atraso da colheita reduziu acentuadamente o conteúdo de carotenoides, a acidez e a taxa de respiração da fruta; no entanto, não afetou a firmeza nem o teor de açúcar. Já a clorofila mostrou uma tendência crescente durante o desenvolvimento da fruta. As abóboras pequenas apresentaram níveis 100% maiores de fenólicos e antioxidantes do que as frutas médias e grandes, mas foram mais sensíveis ao CI. Não se observaram diferenças quanto à suscetibilidade ao CI entre as frutas médias e grandes. A qualidade das abóboras pequenas, médias e grandes permaneceu aceitável por 12, 19 e 26 dias a 5ºC, respectivamente, mais 2 dias a 20ºC.

Palavras-chave


Cucurbita maxima; dano pelo frio; cucurbitáceas; pós-colheita; armazenamento

Texto completo:

PDF (English)


Embrapa Sede
Parque Estação Biológica - PqEB - Av. W3 Norte (final) Caixa Postal 040315 - Brasília, DF - Brasil - 70770-901
Fone: +55 (61) 3448-2461