Deriva e espectro de gotas de dicamba pulverizado, com ou sem adjuvantes, com uso de pontas com indução de ar

Guilherme Sousa Alves, Greg Robert Kruger, João Paulo Arantes Rodrigues da Cunha

Resumo


O objetivo deste trabalho foi avaliar a deriva e o espectro de gotas provenientes de aplicações de dicamba, com ou sem adjuvantes com potencial de redução de deriva, com uso de pontas de jato plano com indução de ar. Foram avaliadas pontas-padrão (XR e TT) e pontas com indução de ar (AIXR e TTI) em túnel de vento. Os adjuvantes usados foram polímero, sulfato de amônio, óleo vegetal e fosfatidilcoline. As aplicações foram feitas à pressão de 276 kPa e à velocidade do vento de 3,5 m s-1. O espectro de gotas foi avaliado por um sistema de difração a laser. Fios de nylon foram usados como coletores de deriva, posicionados transversalmente à direção do vento, a 2, 3, 4, 5, 6, 7 e 12 m da ponta de pulverização. A deriva foi calculada pela quantificação, por fluorimetria, de um corante fluorescente adicionado à calda à concentração de 1 g L-1. O espectro de gotas e a deriva de dicamba dependem da interação entre a composição da calda e o tipo de ponta de pulverização utilizada. Pontas de pulverização com indução de ar são mais recomendadas nas aplicações de dicamba, especialmente a ponta TTI. O polímero e o sulfato de amônio aumentam o tamanho das gotas em todos os tipos de pontas, o que pode reduzir a deriva para culturas adjacentes.

Palavras-chave


ponta com indução de ar; tamanho de gota; deriva de herbicida; tipo de ponta de pulverização; túnel de vento

Texto completo:

PDF (English)


Embrapa Sede
Parque Estação Biológica - PqEB - Av. W3 Norte (final) Caixa Postal 040315 - Brasília, DF - Brasil - 70770-901
Fone: +55 (61) 3448-2461