Bagaço de cana-de-açúcar como único volumoso para vacas mestiças lactantes em regiões semiáridas

Wandemberg Rocha Freitas, Marcelo de Andrade Ferreira, Janaina Lima Silva, Antônia Sherlânea Chaves Véras, Leonardo José Assis Barros, Adryanne Marjorie Souza Vitor Alves, Juana Catarina Cariri Chagas, Thamires Damascena Quirino Siqueira, Gleidiana Amélia Pontes de Almeida

Resumo


O objetivo deste trabalho foi avaliar o efeito de diferentes níveis de bagaço de cana-de-açúcar, como volumoso exclusivo, sobre consumo e digestibilidade de nutrientes, comportamento ingestivo, síntese de proteína microbiana e desempenho leiteiro de vacas mestiças. Dez vacas da raça Girolando (600±34,3 kg de peso corporal) foram distribuídas em delineamento de quadrado latino duplo 5×5. A dieta controle, baseada em palma forrageira, bagaço de cana-de-açúcar e concentrado, foi formulada para atender a média de produção de 20 kg de leite por dia, com 3,5% de gordura. Foram avaliados os seguintes níveis de bagaço de cana-de-açúcar: 30, 38, 46 e 54% da matéria seca. O consumo e a digestibilidade de matéria seca diminuíram linearmente com os níveis de bagaço. O tempo de ruminação foi maior para vacas alimentadas com 54% de bagaço. Os níveis de inclusão não tiveram efeito sobre o conteúdo de ácidos graxos não esterificados ou sobre a síntese de proteína microbiana, mas as concentrações de β-hidroxibutirato apresentaram comportamento quadrático com os níveis de bagaço. Maiores produções de leite corrigido a 3,5% de gordura foram obtidas com vacas alimentadas com 30% de bagaço. A inclusão do bagaço de cana-de-açúcar na dieta de vacas mestiças reduz seu desempenho; contudo, o bagaço pode ser utilizado como volumoso exclusivo quando associado a 70% de concentrado.


Palavras-chave


volumoso alternativo; digestibilidade; comportamento ingestivo; produção de leite

Texto completo:

PDF (English)


Embrapa Sede
Parque Estação Biológica - PqEB - Av. W3 Norte (final) Caixa Postal 040315 - Brasília, DF - Brasil - 70770-901
Fone: +55 (61) 3448-1813