Modificações morfoanatômicas e fisiológicas de maracujazeiro fertilizado com silício

Bárbara Nogueira Souza Costa, Irton de Jesus Silva Costa, Gabrielen de Maria Gomes Dias, Franscinely Aparecida de Assis, Leila Aparecida Salles Pio, Joyce Dória Rodrigues Soares, Moacir Pasqual

Resumo


O objetivo deste trabalho foi avaliar o efeito da adubação silicatada nas trocas gasosas, na anatomia foliar e nas características ultraestruturais de maracujazeiro (Passiflora edulis). Os tratamentos consistiram em quatro concentrações (0, 0,28, 0,55, e 0,83 g por vaso) de silício, na forma de solução de ácido silícico (SiO2.XH2O) a 1%. Esta solução foi aplicada ao redor do caule das plantas. A primeira aplicação foi realizada 15 dias após o transplantio das mudas. No total, foram realizadas três aplicações, em intervalos de 15 dias. Os vasos que constituíram o controle (testemunha) receberam água na mesma quantidade. Após a última aplicação, as plantas foram submetidas a análises de trocas gasosas, alterações anatômicas e características ultraestruturais. O uso de silício promove mudanças anatômicas em mudas de maracujazeiro, como o aumento da espessura da epiderme adaxial, a redução do parênquima paliçádico e a maior relação diâmetro polar/diâmetro equatorial, que está relacionada à funcionalidade dos estômatos. As concentrações de 0,55 e 0,83 g de silício por vaso proporcionam maiores taxas fotossintéticas, de transpiração e de condutância estomática das mudas de maracujazeiro. A concentração de 0,83 g de silício por vaso proporciona maior deposição de silício na epiderme abaxial da superfície foliar.

Palavras-chave


Passiflora edulis; taxa fotossintética; ácido silícico; características ultraestruturais

Texto completo:

PDF (English)


Embrapa Sede
Parque Estação Biológica - PqEB - Av. W3 Norte (final) Caixa Postal 040315 - Brasília, DF - Brasil - 70770-901
Fone: +55 (61) 3448-2461