A aplicação de fungicidas pode incrementar a produção de tomateiro coinfectado por Begomovirus e Crinivirus

Leysimar Ribeiro Pitzr Guimarães, Denise Nakada Nozaki, Mônika Fecury Moura, David Marques de Almeida Spadotti, Tatiana Mituti, Renate Krause-Sakate, Marcelo Agenor Pavan

Resumo


O objetivo deste trabalho foi avaliar o efeito da aplicação de fungicidas na concentração de Tomato severe rugose virus (ToSRV, Begomovirus) no híbrido de tomateiro 'Mariana' coinfectado por ToSRV e Tomato chlorosis virus (ToCV, Crinivirus) e a progressão da concentração viral por qPCR, bem como quantificar a produção e a qualidade de frutos. O experimento I consistiu na aplicação dos fungicidas após a semeadura (pré-tratamento): piraclostrobina+metiram (P+M) (a 3 g L-1) + boscalida (B) (a 0,3 g L-1), seguida de pulverizações quinzenais com P+M (4 g L-1); no experimento II, não houve aplicação na semeadura (controle), apenas 4 g L-1 de P+M quinzenalmente. As transmissões de ToSRV e ToCV foram realizadas com uso de moscas-brancas (Bemisia tabaci, biótipo B), aos 15, 30, 45, 60 e 70 dias após o transplante (DAT). Houve aumento da produção, melhor qualidade dos frutos e redução da concentração de ToSRV nas plantas, quando os vírus foram transmitidos tardiamente e o pré-tratamento foi realizado. O pré-tratamento na bandeja, na semeadura, com P+M (3 g L-1) e B (0,3 g L-1), seguido de pulverizações quinzenais com P+M (4 g L-1), aumenta a produção e a qualidade dos frutos, em tomateiro híbrido 'Mariana' coinfectado aos 45, 60 e 75 DAT por ToSRV e ToCV, e há redução da concentração de ToSRV.


Palavras-chave


Solanum lycopersicum; boscalida; metiram; piraclostrobina; ToCV; ToSRV

Texto completo:

PDF (English)


Embrapa Sede
Parque Estação Biológica - PqEB - Av. W3 Norte (final) Caixa Postal 040315 - Brasília, DF - Brasil - 70770-901
Fone: +55 (61) 3448-2461