Dermatophilus congolensis. IV. Manutenção de amostras em laboratório

Luiz Celso Hygino da Cruz

Resumo


O Dermatophilus congolensis foi mantido viável e com suas propriedades morfológicas e fisiológicas, pelo menos, por dois anos e meio, em ágar infusão de cérebro e coração de bovino (Difco), semi-sólido, em "shake tube". Os tubos foram selados com rolha de borracha branca para evitar a dessecação do meio e a penetração de oxigênio do ar atmosférico. De crostas de pele do animal infectado, conservadas secas a 4°C, conseguiu-se isolar o D. congofensis após 16 meses, mas não após 18 meses.


Palavras-chave


Viabilidade em ágar infusão de cérebro e coração, semi-sólido, em “shake tube” e em crostas de pele

Texto completo:

PDF


Embrapa Sede
Parque Estação Biológica - PqEB - Av. W3 Norte (final) Caixa Postal 040315 - Brasília, DF - Brasil - 70770-901
Fone: +55 (61) 3448-2461