Adubação potássica da soja em Latossolo Vermelho-Escuro fase arenosa

Ciro A. Rosolem, João Nakagawa, José R. Machado

Resumo


Durante três anos foi conduzido um experimento em Latossolo Vermelho-Escuro fase arenosa, no qual foram estudados os efeitos de adubações anuais com 0,40, 80, 160 e 240 kg/ha de K2O, nas formas de cloreto de potássio e sulfato de potássio, aplicados no sulco de semeadura ou em área total com incorporação. Observou-se resposta à adubação potássica a partir do segundo ano de cultivo. As máximas produções sempre estiveram associadas a teores de potássio nas folhas acima de 1,5%. Em anos mais secos que o normal, as aplicações a lanço proporcionaram melhores resultados do que as aplicações em sulcos. Não foram observadas diferenças entre as fontes de potássio utilizadas. Notou-se acentuado decréscimo nos teores de potássio trocável do solo, com o transcorrer do tempo, sendo necessária a aplicação de doses maiores que 80 kg/ha de K2O por ano para manter o nível original. Por outro lado, a aplicação de doses elevadas de potássio levou a uma perda significativa do nutriente por lixiviação.

Palavras-chave


Glycine max; potássio; fontes; modo de aplicação; níveis no solo; níveis na planta; lixiviação

Texto completo:

PDF


Embrapa Sede
Parque Estação Biológica - PqEB - Av. W3 Norte (final) Caixa Postal 040315 - Brasília, DF - Brasil - 70770-901
Fone: +55 (61) 3448-2461