Absorção, acúmulo e metabolização de 14C-linuron

Elemar Voll, Ricardo Victória Filho, Frederick T. Corbin, Arch D. Worsham

Resumo


Com o objetivo de obter indicações no processo fisiológico de controle de plantas daninhas para o herbicida linuron em mistura com alachlor foram conduzidos experimentos com soja (Glycine max (L.) Merr. cv. Ramson) e com pepino (Cucumis sativus L. cv. Wisc. SMR58 Pickles) e ançarinha-branca (Chenopodium olbum L.) em vasos com terra e em solução nutritiva. Nesta foi usado 14C-linuron com atividade específica de 6,84 uCi/mg. Em vasos com terra, alachlor protegeu as plântulas de pepino, e não as de soja e ançarinha-branca, da fitotoxicidade de linuron, quando incorporados juntos por ocasião do plantio. Em solução nutritiva contendo alachlor e linuron, plântulas de soja e pepino introduzidas com três dias de idade não manifestaram a proteção de alachlor contra o efeito fitotóxico do linuron, somando- se os efeitos fitotóxicos de ambos. Soja absorveu e metabolizou maiores quantidades de linuron que pepino, mostrando, assim, maior susceptibilidade. Maiores concentrações de linuron foram encontradas nas folhas unifolioladas da soja e nos cotilédones do pepino. Linuron provocou redução da biomassa de soja e pepino, com exceção dos cotilédones e do hipocótilo da soja. Linuron sozinho reduziu a absorção de água em soja e pepino; essa redução foi acentuada quando em mistura com alachlor.


Palavras-chave


Glycine max; soja; pepino; fitotoxicidade; metabolismo

Texto completo:

PDF


Embrapa Sede
Parque Estação Biológica - PqEB - Av. W3 Norte (final) Caixa Postal 040315 - Brasília, DF - Brasil - 70770-901
Fone: +55 (61) 3448-2461