A etiquetagem de minhocas com implante visual de elastômero é uma técnica confiável?

Kevin Richard Butt, Maria Jesús Iglesias Briones, Christopher Lowe

Resumo


O implante visual de elastômeros (VIE) tem sido recentemente utilizado para estudar diferentes aspectos da ecologia de minhocas. Entretanto, questões fundamentais relacionadas à detecção e posicionamento da etiqueta, sua persistência e efeitos potenciais nas minhocas permanecem desconhecidos. Sete espécies de minhocas, pertencentes a três grupos ecológicos, com diferentes pigmentações e comportamentos de escavação de galerias, foram etiquetadas com VIE de diferentes cores. Procedeu-se à inspeção externa depois de dois dias, uma semana e 1, 10 e 27 meses, seguida de preservação, dissecação e inspeção interna. As etiquetas puderam ser vistas em espécimes vivos até 27 meses após a aplicação, e a dissecação revelou que, na maioria dos casos, elas estavam alojadas na cavidade celômica, seguras no lugar por um septo. Entretanto, depois de longos períodos (mais de dois anos), o tecido cloragógeno tendeu a ligar-se às etiquetas e a dificultar a observação externa. A migração dos VIE para a parte posterior da minhoca e a potencial perda da etiqueta foram raramente observadas, e o índice de recuperação passou de 98%. Pela introdução de uma quantidade razoável de VIE nos segmentos logo após o clitelo, esta técnica pode constituir-se em um instrumento valioso em estudos da ecologia e do ciclo de vida das minhocas, particularmente em experimentos de curto e médio prazo, em laboratório e em experimentos de campo.

 

 

 

 


Palavras-chave


métodos de captura e marcação; tecido cloragógeno; longevidade; Lumbricidae; monitoramento de populações

Texto completo:

PDF


Embrapa Sede
Parque Estação Biológica - PqEB - Av. W3 Norte (final) Caixa Postal 040315 - Brasília, DF - Brasil - 70770-901
Fone: +55 (61) 3448-2461