Água levemente salinizada aumenta a eficiência da larvicultura de peixes neotropicais

Rosângela Kiyoko Jomori, Ronald Kennedy Luz, Rodrigo Takata, Thiago El Hadi Perez Fabregat, Maria Célia Portella

Resumo


O objetivo deste trabalho foi avaliar o efeito de água levemente salinizada sobre a larvicultura intensiva do tambaqui, matrinxã, apaiari e piau, durante os dias iniciais de alimentação. As larvas foram mantidas em água artificialmente salinizada, em concentrações de 0 (água doce) a 14 g L‑1 de NaCl (intervalo de 2,0 g L‑1 ), e foram alimentadas com duas porções diárias de náuplios de Artemia, de acordo com protocolo para cada espécie, em delineamento inteiramente casualizado, com três repetições. Larvas de tambaqui, matrinxã e apaiari podem ser cultivadas em até 2 g L‑1 de concentração salina, sem prejuízos ao crescimento e à sobrevivência. Larvas de piau foram mais tolerantes e suportaram até 4 g L‑1 de concentração salina. Acima disto, a mortalidade dos peixes aumentou e chegou a 100% à concentração de 6 g L‑1 (matrinxã e apaiari) e de 10 g L‑1 (tambaqui). A salinização da água a 2 g L‑1 proporcionou maior taxa de sobrevivência a larvas de matrinxã e maior crescimento a larvas de tambaqui, apaiari e piau. Estas duas últimas espécies apresentaram melhor crescimento com a maior quantidade de náuplios. Água salinizada a 2 g L‑1 é benéfica para as espécies estudadas, pois otimiza o potencial de crescimento das larvas e o uso de náuplios de Artemia como alimento vivo.


Palavras-chave


Astronotus ocellatus; Brycon amazonicus; Colossoma macropomum; Leporinus macrocephalus; alimento vivo; náuplios de Artemia

Texto completo:

PDF


Embrapa Sede
Parque Estação Biológica - PqEB - Av. W3 Norte (final) Caixa Postal 040315 - Brasília, DF - Brasil - 70770-901
Fone: +55 (61) 3448-2461